Psicologia e fé podem e devem andar juntas: explica psicóloga que questionou o posicionamento do jogador do Palmeiras - Expresso Business

A saúde mental é um aspecto essencial da vida humana, mas muitas vezes sua complexidade é obscurecida por estigmas e incompreensões. Nesta pauta, vamos abordar a interseção entre Psicologia e fé, explorando como essas duas dimensões podem se complementar para promover um bem-estar integrado.

Apesar dos avanços significativos na compreensão da saúde mental, uma parte considerável da população permanece desconhecendo os serviços e benefícios oferecidos pela Psicologia. Estatísticas indicam que aproximadamente 40% das pessoas desconhecem onde buscar ajuda psicológica quando necessário, ressaltando a necessidade urgente de educação e conscientização sobre esse tema vital.

Recentemente, o jogador de futebol Endrick, do Palmeiras, provocou um debate sobre o papel da Psicologia ao afirmar que não precisa de um profissional da saúde mental, pois “Deus e a família” são seus psicólogos. Essa declaração levanta questões sobre a percepção pública da Psicologia e sua relação com a fé e a espiritualidade.

Endrick declarou: “Meu psicólogo, primeiramente, é Deus. Eu não preciso abrir meu coração para mais ninguém. Eu tenho Deus na minha vida, eu não preciso desabafar com outra pessoa que não vai nem conhecer meus pais, não vai nem conhecer minha pessoa. Então eu somente tenho que conversar com Deus, tenho que orar. Se eu estou com minha família, eu estou feliz e eles estão me fazendo bem. E creio que não preciso nem achar uma pessoa que nem conhece minha família direito. Para mim, meus psicólogos são minha família e Deus.”

A psicóloga Michelle Jaculi analisou o comentário de Endrick destacando como esse posicionamento pode influenciar negativamente jovens que necessitam de apoio profissional em questões de saúde mental. Ela destaca que a Psicologia é uma ciência do comportamento humano e, especificamente a TCC (Terapia Cognitivo Comportamental), abordagem teórica em que trabalha, busca compreender como as pessoas interpretam as situações e como reagem a elas.

“Claro que as crenças das pessoas influenciam seu pensamento, sua forma de ver o mundo. Como cristã posso afirmar que a espiritualidade cultiva o autoaperfeiçoamento, sermos melhores a cada dia, respeitarmos o próximo, vivermos bem com nossa família. E esses são comumente objetivos terapêuticos” reforça Michelle.

Os psicólogos irão apresentar estratégias para atuar no comportamento disfuncional que está causando sofrimento ou prejuízo significativo para a própria pessoa ou sua família. O objetivo é ajudar a pessoa a enfrentar os desafios de maneira mais assertiva e saudável e viver melhor.

A espiritualidade pode ser aliada da Psicologia e da Psiquiatria. Ela inclusive é um fator protetor do bem-estar, mas não substitui a importância do apoio profissional, quando necessário.

Esta discussão destaca a importância de desmistificar conceitos e promover uma compreensão mais ampla da Psicologia e de como ela pode se integrar de maneira positiva com a fé e a espiritualidade. Educação, conscientização e acesso aos serviços psicológicos são essenciais para garantir um cuidado abrangente da saúde mental em nossa sociedade.

Entrevista feita com a especialista em Depressão, Transtorno Bipolar e Relacionamento pais e filhos : Michelle Jaculi – Psicóloga.

Rede Social
https://www.instagram.com/michellejaculi.psi?igsh=MWZwZGhxenl1bHVmbA==

Share.